Futebol: um programa de aquecimento para evitar lesões no chão

Pesquisadores alemães criaram um programa de aquecimento capaz de dividir as lesões dos jogadores pela metade ao longo de uma temporada. Um estudo apoiado pela FIFA.

É muito comum um jogador de futebol se machucar no campo. Em 2014, a UEFA publicou um relatório sobre lesões em clubes de elite para a temporada 2012/13, a fim de "reduzir a frequência e a gravidade das lesões corporais" em campo. Lesões nos membros inferiores, incluindo quadris, coxas, joelhos, tornozelos e pés, são as mais comuns entre os jogadores de futebol. De acordo com um estudo sueco realizado em 2017, também foram identificados 3% dos ferimentos na cabeça e 7% das lesões nas costas. Em média, um jogador teria 12,1% de chance de se machucar durante um treinamento ou partida.

Um protocolo para evitar ferimentos no chão

O problema é tal que cientistas da Universidade de Basileia, na Alemanha, desenvolveram um programa de aquecimento projetado especificamente para crianças e projetado para reduzir as lesões no futebol em 50%. Um total de 243 equipes, incluindo cerca de 3.900 crianças de quatro países europeus diferentes, participaram do estudo. As características das lesões na infância diferem das observadas entre jovens e adultos. "Por exemplo, as crianças são mais propensas a sofrer fraturas ou lesões nos membros superiores", diz o Dr. Oliver Faude, da Universidade de Basileia. Portanto, uma equipe de especialistas montou um aquecimento de 20 minutos, chamado de "11 + Kids", que inclui sete exercícios de aquecimento a serem realizados no início de determinadas sessões de treinamento.

Os pesquisadores fizeram dois grupos: enquanto o primeiro fazia seu treinamento como de costume, o segundo fazia aquecimento regularmente com o programa "11 + Kids". Após uma temporada, eles descobriram que a taxa de lesões na equipe que seguiu o programa era 48% menor do que no grupo controle, enquanto a taxa de lesões graves havia diminuído em 74%. Os resultados deste estudo, apoiado pela FIFA, mostram que um programa de aquecimento adequado pode impedir uma grande porcentagem de lesões, desde que seja realizado uma ou duas vezes por semana.